Reunião técnica gera excelentes expectativas na produção de noz pecan do estado

Data - 17 de maio de 2016 / Autor - morgana /

Representantes de entidades renomadas do setor devem unir forças para fomentar e qualificar plantações de nogueiras

A história da cultura da noz pecan no Rio Grande do Sul possivelmente terá o ano de 2016 como um divisor de águas. A afirmação é do prefeito de Anta Gorda, Neori Luiz Dalla Vecchia, que participou de uma reunião técnica sobre o fruto, no dia 27 de abril, na Associação Comercial e Industrial de Encantado. A iniciativa foi idealizada pela comissão organizadora da 6ª FestLeite de Anta Gorda, que tem as nozes como um de seus carros chefes e promove, a cada dois anos, o Seminário da Cultura da Noz Pecan.

Além do prefeito, participaram representantes da Emater/Ascar-RS; da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA); das Universidades Federais de Santa Maria, Pelotas e Porto Alegre (UFSM, UFPEL e UFRGS); da Unipampa; Secretaria da Agricultura, Pecuária e Irrigação (SEAPI); do Instituto Nacional de Tecnologia Agropecuária (INTA), da Argentina; e dos Viveiros e Produtos Pitol.

O engenheiro agrônomo Julio Cesar Farias Medeiros, coordenador do Seminário da FestLeite, elenca uma série de objetivos que levaram à organização da reunião:
- propor a criação de um Programa de Pesquisa sobre noz-pecan pela EMBRAPA;
- propor um convênio de cooperação e compartilhamento de pesquisas entre EMBRAPA e INTA, da Argentina;
- propor a criação de um Programa de Incentivo, através da Secretaria de Agricultura;
- propor a formação de um grupo de trabalho, formado pela pesquisa oficial, extensão rural, consultores independentes, viveiristas, produtores e agroindústrias, no sentido de buscar soluções conjuntas para o desenvolvimento da cultura no estado.

Segundo Julio, a demanda foi muito bem encaminhada. “Documentamos uma ‘Memória da reunião’ onde constam os propósitos do encontro e os encaminhamentos definidos”, explica. Ainda acrescenta que o primeiro resultado concreto obtido foi o anúncio do Secretário Ernani Polo, na abertura da 6ª FestLeite, da criação de um Programa de Governo para o fomento da cultura de nogueira, nos moldes do Pró-Oliva, já existente. “Com relação à abertura pela EMBRAPA, como a instituição atua nacionalmente, o Centro de Pesquisa de Clima Temperado da EMBRAPA, sediado em Pelotas, deverá criar um Programa Nacional, contemplando as regiões do Brasil em que a cultura pode se adaptar-se”, complementa.

Dalla Vecchia mostra-se confiante com os resultados. “Pela primeira vez conseguimos reunir os canhões da pesquisa e fomento da agricultura e produção do estado. Com eles trabalhando em conjunto e, sendo criada a Câmara Setorial da Noz Pecan no estado, não temos dúvidas de que teremos avanços”, afirma.

Representantes das instituições presentes:
Antônio Conte (EMATER/ASCAR), Alejandro Lavista Llanos (Produtor Argentina), Carlos Roberto Martins (EMBRAPA), Derli Paulo Bonine (Emater/Ascar), Diniz Fronza (UFSM), Ernesto Madero (INTA); Fernando Selarayan (EMATER/ASCAR), Jair Costa Nachtigal (EMBRAPA), Julio Cesar Medeiros (Consultor /viveiro Pitol), Leandro Pitol (Produtor), Mauricio Gonçalves Bilharva (UFPEL), Marcos Tonim (Presidente ACIE Encantado), Neori Luiz Della Vecchia (Prefeito de Anta Gorda), Rodrigo Ramos Rizzo (SEAPI)

A noz pecan no estado
Conforme o engenheiro agrônomo Fernando Selarayan, da Emater/Ascar-RS, a nogueira pecan figura hoje, no Rio Grande do Sul, como uma das frutíferas com maior representatividade de área plantada. É vista pelos produtores como uma alternativa de diversificação nas propriedades, possibilitando aumento de renda, além de ser um alimento de alto valor nutricional. A perspectiva é de um aumento contínuo em sua demanda, devido ao baixo número de países produtores.

Anta Gorda já foi considerada a capital da noz pecan devido ao fato de seu primeiro prefeito, Arminho Miotto, ter sido pioneiro em incentivar a cultura no estado. Atualmente, há cerca de 250 produtores no município que, juntos, cultivam uma área de 400 hectares. “O rendimento registrado nesses últimos anos vem variando de 100 a 150 toneladas/ano. Mas o número mais interessante é aquele que dá conta de que cerca de 80% dos pomares foram plantados nos últimos 15 anos”, afirma Selarayan.

De acordo com o engenheiro, aos poucos, o produtor tem percebido que este é um investimento altamente vantajoso, com boa rentabilidade e fácil manejo, sendo uma excelente alternativa para a diversificação da renda na propriedade. Levando em conta a importância e o histórico da cultura na região, é unânime a opinião dos interessados pela cultura sobre a necessidade de continuidade de ações estruturantes, técnicas e de pesquisa.